Junto à aceitação da intuição, as mudanças que isto causa e a velocidade em que a vida começa a se impor surgem à consciência em diversos ângulos diferentes. Fatos e ocasiões, antes despercebidas, começam se exprimir com enorme clareza, na verdade, analisando a fundo, os valores e conceitos se invertem. Muito do que era importante deixa de sê-lo e vice versa. Acontecimentos antes nem notados começam, literalmente, guiar minha vida, me impõe prudência na maioria de minhas atitudes e, principalmente, em meus pensamentos, pois começo a ter uma vaga idéia do que este é capaz, e tenho a certeza que, realmente, se trata apenas de uma idéia.
 
         Sinto estar apenas iniciando o que tenho que fazer, em relação a mim mesmo, noto a minha pequinês, mas já percebo muita diferença, principalmente na forma que penso, e começo a enxergar o que este pensamento, usado de forma mais focada pode fazer. Em um livro sobre apometria que estou lendo, se fala muito sobre correntes mento-magnéticas e o elemento fundamental para potencializá-las: a fé. Creio, assim como a grande maioria das pessoas, eu tinha uma idéia distorcida do que era fé, uma idéia imposta pela sociedade em que vivemos, idéia esta, que por si só, já limita a força de nossa fé. Pois por uma série de conseguintes acontecimentos, desde a idade média, nos condicionamos a obscurecer diversas ferramentas que temos dentro de nós. Esta sociedade em que vivemos hoje em dia nos faz acreditar que não podemos fazer, que não podemos isto ou aquilo, determinam até onde podemos ir, quando na verdade fé se trata do contrário. Como não podia ser diferente, os feitos produzidos por esta nossa fé controlada também se restringem, causando um círculo vicioso entre limites e realizações. Quanto alguém consegue determinar isso, de forma a alterar esta condição, e acreditar piamente em sua capacidade e interatividade junto ao meio e outros seres, este opera milagres.
         Somos formados do mesmo elemento inicial que qualquer coisa existente neste Universo, compartilhamos a mesma fonte de energia de tudo que já se criou, mesmo sendo em maior ou menor intensidade, viemos do mesmo princípio, da mesma centelha. Então, seria correto dizer que fazemos parte do todo, sendo assim, também seria correto afirmar que podemos interagir com ele, interagir com qualquer coisa, qualquer elemento, sela ele vivo ou inanimado.
         Não pode haver razão para impor a extensão da nossa fé, para ela não existe lógica na nossa ciência atual, portanto como poderíamos ser capazes de estipular até onde ela pode nos levar.
         O último passo da razão é reconhecer que há uma infinidade de coisas que a superam. (Pascal)



Glauco AC
29.05.11

2 comentários:

  1. Lei Invisível do Amor
    (exercícios helder e bretonianos)
    “À Prof.ª Mônica Simas”

    Há uma lei orgânica nas sombras
    de puro invisível magnetismo.
    Há no Cosmos qualquer dança mística
    entre as estrelas
    e o sorriso escarlate
    de uma nebulosa explodida
    no Tempo;
    a massa púrpura
    de um deus-bumerangue
    e seu oposto
    – erupção morfológica
    62Sentimento do fim do mundo
    latejando a metafísica interna
    de toda matéria viva,
    e na vida uma lei primeira,
    uma lei – digamos – de Explosão.
    Eis o som.
    Eis a treva líquida do som
    e o Homem criando a si em pensamento.
    Há, sobretudo, um jardim velado,
    uma vela-esparadrapo,
    uma ferida incandescente na flor;
    é onde a alma ressoa noutra,
    um som alicia o outro,
    de estrela a estrela
    a palavra faz amor.
    É lei de morféia
    – dança primeira,
    massa mística -
    que da foz do amor
    principia a morte,
    escoando por dentro
    ecoando no centro
    de toda metamorfose.

    Poesia de Willian Delarte - Livro "Sentimento do Fim do Mundo"

    ResponderExcluir
  2. Cara está aí uma coisa subjetiva e complexa: a Fé!

    Qualquer definição, por mais elaborada que seja, jamais irá contemplar a essência, mas quando começamos a nos sentirmos como parte do todo, e a integração vai sem limites, podemos então vislumbrar as possibilidades e esta vivência é "o" exercício da Fé!

    PAZ!

    ResponderExcluir